Estremoz é uma cidade portuguesa no Distrito de Évora, região Alentejo, sub-região Alentejo Central, com cerca de 8.000 habitantes. É sede de um município com cerca de 15.000 habitantes, subdividido em 13 freguesias. O município é limitado a norte pelos municípios de Sousel e Fronteira, a nordeste por Monforte, a sueste por Borba, a sul pelo Redondo e a oeste por Évora e por Arraiolos. 
É conhecida internacionalmente pelas suas jazidas de mármore branco. A exploração do mármore de Estremoz tem uma origem muito antiga, como comprova o Templo romano de Évora, e o altar-mor da Catedral de Évora, que contêm mármore originário de Estremoz. 
A Estremoz foi concedida a distinção de «Notável Vila», atribuída pelos reis de Portugal a muitas das suas vilas; foi elevada à categoria de cidade em 1926. É uma cidade intimamente ligada à história de Portugal. Destaca-se na crise de 1383-1385, em que foi uma das cidades que se revoltaram no Alentejo a favor de João de Aviz, pouco depois do assassínio do Conde de Andeiro em Lisboa. Foi nas proximidades de Estremoz que se deu a primeira batalha entre portugueses e castelhanos à época, a batalha dos Atoleiros, ganha pelos primeiros sob o comando de D. Nuno Álvares Pereira.



Património


  • O Castelo de Estremoz, no Alentejo, localiza-se na cidade de Estremoz, freguesia de Santa Maria, Distrito de Évora, em Portugal. Erguido em posição dominante sobre uma colina ao norte da Serra da Ossa, tinha como função primitiva a defesa desta raia alentejana. Constituindo-se posteriormente numa das mais importantes praças-fortes da região do Alentejo, Estremoz esteve ligada a diversos dos mais decisivos episódios militares da História de Portugal. Nele viria a falecer, em 1336, a rainha Santa Isabel. O castelo medieval ergue-se no topo de uma colina de pedra calcária, identificando-se elementos do estilo gótico, moderno e neoclássico. É envolvido por uma cerca baixa ameada, percorrida por um adarve largo, reforçada com quatro cubelos semi-cilíndricos. Pelo lado sul, ergue-se a Torre de Menagem.


  • A Torre de Menagem, também conhecida como Torre dos Três Reis ou Torre das Três Coroas, com 27 metros de altura, iniciada em 1260 foi concluída sob o reinado de D. Fernando de Portugal, por volta de 1370. À época da crise de 1383-1385, o alcaide-mor João Mendes de Vasconcelos, tomou partido por Castela e foi intimado pela população a abandonar o castelo. Em 1384, o Condestável D. Nuno Álvares Pereira aqui instalou o seu quartel-general, de onde as forças portuguesas sob seu comando partiriam para dar combate, e vencer, o exército castelhano na batalha dos Atoleiros. 


  • Na cerca da cidade, destacam-se a Porta de Santarém e a Porta da Frandina. No interior dos muros, observa-se a imponente galeria ogival da Casa da Audiência, de dupla arcaria apoiada em colunelos de mármore com capitéis historiados, contendo o antigo brasão da cidade. Da época de D. Manuel I subsistem o antigo Celeiro Comum, coberto por abóbada ogival de nervuras, e a Torre do Relógio.


  • O Castelo de Évora Monte (ou Evoramonte) localiza-se na freguesia de Evoramonte, concelho de Estremoz, distrito de Évora, no Alentejo, em Portugal. Erguido em um dos pontos mais elevados da serra de Ossa, no centro da povoação, do alto de seus muros domina-se uma grande extensão em redor, até ao Castelo de Estremoz.


  • O Castelo de Veiros, no Alto Alentejo, localiza-se na vila e Freguesia de Veiros, Concelho de Estremoz Distrito de Évora, em Portugal. Ergue-se em posição dominante sobre uma colina escarpada, integrando a defesa composta pelos castelos de Monforte, Campo Maior e de Ouguela, durante a Idade Média.


  • A Ermida de São Brás está localizada na Herdade da Fainha, sensivelmente a leste e a três quilómetros de Evoramonte. A ermida encontra-se situada num local com vestígios de presença humana desde o Paleolítico Superior. A sua construção, datada do século XIII, é atribuída aos cavaleiros templários, e terá sido alvo de várias reconstruções e alterações da sua estrutura ao longo dos tempos, e por volta de 1531 terá recebido uma importante intervenção reconstrutiva devido a um terramoto.


  • A Igreja Matriz de Santa Maria de Evoramonte conheceu também o título de Nossa Senhora da Conceição. Fica situada na zona intramuros da vila, junto à Porta do Freixo, é um edifício de três naves, que no século XVI, por iniciativa do Cardeal Infante Dom Afonso, bispo de Évora, substituiu a construção anterior, que já existia em 1359.


  • A Igreja Paroquial de São Pedro de Evoramonte fica situada na zona baixa da vila, tendo desempenhado o papel de sede da freguesia extramuros daquela localidade. Trata-se de um edifício de três naves, dos séculos XV e XVI, com a particularidade de apresentar, na fachada, uma estátua gótica do padroeiro.


  • O Pelourinho de Estremoz situa-se em Estremoz e foi construído em inícios do século XVI, no reinado de D. Manuel I, em 1698, foi removido da frente do antigo Paço Real de D. Dinis (actual Pousada da Rainha Santa Isabel) para o terreiro de Santo André, defronte aos Paços do Concelho da época. Entre 1867 e 1871 foi arriado deste local e disperso em local desconhecido, tendo sido reconstruído, em 1916, e colocado no local onde hoje se encontra. Mantém originais o fuste, o capitel e o coruchéu de remate, todos estes elementos de estilo manuelino.


  • O Teatro Bernardim Ribeiro, em Estremoz, cuja planificação começou a 1 de Maio de 1916, tem a sua origem ligada à constituição de uma comissão criada para a sua construção. O terreno de implantação deste imóvel foi doado, e situava-se num arruamento que fora 'conquistado' à muralha seiscentista havia poucos anos, sendo uma zona para a qual a então vila de Estremoz se expandia com alguma rapidez. A inauguração do teatro fez-se em 22 de Julho de 1922, tendo a sua construção decorrido em associação de accionistas. Mais tarde a Câmara Municipal de Estremoz viria a tomar conta desta jóia do teatro português. Foi-lhe atribuído o nome do alentejano Bernardim Ribeiro em homenagem a este poeta quinhentista.


  • Na Gastronomia, os pratos de "Porco", de "Borrego", de "Vitela", as "Sopas Alentejanas", as "açordas" e as "migas" realçam a diversidade da nossa gastronomia, ligada ao mundo rural, preservado, com toda a sua importância cultural, representando um contributo para desenvolver e promover o rico património histórico do concelho e potencializar as nossas capacidades na área do turismo. Assumindo a sua importância sociocultural e económica, a gastronomia é também parte integrante da oferta turística de qualidade que esta cidade de Estremoz lhe pode oferecer.


  • Os vinhos constituem também um requisito quase obrigatório, pela sua incomparável qualidade e paladar único de uma região famosa e generosa para Baco

Para outras informações úteis e detalhe consulte o site: www.cm-estremoz.pt

© Monte do Cuca. Todos os direitos reservados.