Alter do Chão é uma vila portuguesa pertencente ao Distrito de Portalegre, região do Alentejo e sub-região do Alto Alentejo, com cerca de 2 600 habitantes. É sede de um município com cerca de 4.000, subdividido em 4 freguesias. O município é limitado a nordeste pelo município de Portalegre, a norte pelo Crato, a sueste por Monforte, a sul por Fronteira, a sudoeste por Avis e a oeste por Ponte de Sôr. As freguesias são Alter do Chão, Chancelaria, Cunheira e Seda.




Património



  • O Castelo de Alter do Chão, mandado construir por D. Pedro I em 1359, em planta quadrangular com torres e cubelos cilíndricos coroado de ameias, portais góticos e torre de menagem quadrada. Pertence à Casa de Bragança e está classificado como monumento nacional.


  • A Igreja da Misericórdia, fundada no século XIV e modificada nos séculos XVII e XVIII, com interior de uma só nave, altar-mor em mármore de Estremoz, altares laterais de madeira com baldaquinos em talha dourada e pintada, arco do cruzeiro revestido por azulejos azuis e brancos e trabalhos em madeira entalhada, sendo de salientar o pórtico.


  • A Capela de Santana, edificada no século XVII, foi renovada nos séculos XVII/XVIII, com pinturas murais actualmente cobertas com cal.

  • A Igreja de São Francisco, construída no século XVII, interior de uma só nave, altares em talha dourada, púlpito com grade de madeira torneada do século XVII, imagens do século XVI e finais do século XVIII, em madeira, pedra e terracota.

  • A Igreja de Nossa Senhora da Alegria, construída nos finais do século XVI, e reconstruída no século seguinte. Destaque para o pórtico de estilo renascença, e decoração em massa. Pertenceu ao Convento do Espírito Santo, fundado pelos frades carmelitas descalços. Assenta sobre o que parece ter sido a primeira igreja que se edificou em Alter do Chão. 

  •  Igreja do Senhor Jesus do Outeiro, edificação do século XVII/XVIII de proporções elegantes, o mais erudito barroco de Alter do Chão, com portal em mármore de Estremoz, torre sineira de quatro faces, planta quase centrada, altar-mor e quatro altares laterais, decoração em azulejo, mármore, madeira dourada e policromada e em massa. 

  • A Igreja do Convento de Santo António, foi fundada em 1617 pelo Duque de Bragança D. Teodósio II, e modificada no século seguinte. O interior é de uma só nave com azulejos, trabalhos em madeira pintada e entalhada, capela lateral mandada construir em 1784 por João Alves Barreto. As esculturas em pedra e madeira. Várias sepulturas brasonadas do séc. XVII/XVIII em massa. 

  • A Capela de Santo António dos Olivais, construída no século XVI, e mais tarde parcialmente reconstruída, dista 1 km da Vila de Alter do Chão. Interiormente de realçar a Capela-mor, em azulejo policromo do século XVII.

  • O Palácio e Quinta do Álamo, moradia brasonada mandada construir em 1649, sofreu importantes alterações no século XVIII/XIX. É um edifício rectangular, com larga fachada de dois andares com nove janelas de sacada de ferro forjado, com frontões alternadamente curvos e rectilíneos. Riqueza decorativa no interior com azulejos. O portal, encimado pelo escudo de armas, que dá entrada para a quinta é da segunda metade do século XVIII. A quinta é típica desse século, destacando-se um pequeno tanque com decoração de alvenaria e o jardim de luxo.  

  • A Fonte da Praça da República, mandada construir em 1556 pelo Duque de Bragança D. Teodósio I. Situada primitivamente noutro local do largo, foi removida para o actual em meados do século XVII. Estilo renascença, é constituída por uma alpendrada em forma de cúpula dupla sustentada por três colunas, tudo em mármore de Estremoz. No interior os medalhões heráldicos dos Duques de Bragança (Armas de Portugal) e da Vila de Alter. 

  • O Chafariz da Barreira, foi mandado construir pela Câmara Municipal em 1799, junto à entrada principal do Castelo, estilo barroco. Interessante trabalho de alvenaria ao gosto popular, com trabalhos em massa, escudos com brasão de Portugal e de Alter. Tem 2 bicas laterais jorrando de pirâmides recortadas. Foi removido no inicio dos anos 60, do local primitivo para o Largo "Os Doze Melhores de Alter".

  • O Chafariz dos Bonecos, foi edificado pela Câmara Municipal em 1799. Semelhante ao Chafariz da Barreira, mas mais complexo, tinha nas extremidades e no coroamento cinco pequenas esculturas que lhe deram o nome, das quais resta parte de uma delas. Escudo com as armas de Portugal e de Alter, em baixo relevo e muito obstruído por cal, presume-se que seja a esfinge do Príncipe Regente D. João. Tanque rectangular e 2 bicas laterais, interessantes trabalhos em massa.

  • O Pelourinho, construído no século XVI, estilo manuelino, composto de coluna torcida, com decoração vegetalista.  

  • O Castelo de Alter Pedroso, construído no século XIII, e doado por D. Afonso III aos Cavaleiros de Avis, foi reconstruído por D. Dinis e destruído por D. João D' Áustria em 1662. De traça primitiva só resta um portal gótico, partes de muralha em ruínas e a porta da Capela de S. Bento no interior.

  • A Igreja Paroquial de Alter Pedroso, foi fundada no século XV, dedicada a Nossa Senhora das Neves, e alterada do século XVII. Interior de uma só nave, altar-mor em talha dourada, portal e torre de raiz medieval. No altar-mor, detalhes importantes, e trabalhos em massa decorando o interior do templo.

  • A Ponte de Vila Formosa: Construída pelos romanos nos finais do séc. I, início do séc. II D.C. sobre a Ribeira de Seda, na Estrada que liga Alter do Chão a Chança e Ponte de Sôr. Construída em grossa cantaria aparelhada e almofadada. Consta de 6 arcos iguais entre si e compostos nas frentes por trinta e três aduelas e cinco olhais em forma de pórtico. Monumento Nacional.

  • O artesanato ocupa um espaço de detalhe especial desta região alentejana, nomeadamente a latoaria, o empalhamento em bunho e palhinha, e a correaria.

  • A gastronomia ocupa também um lugar de destaque, com um conjunto de opções de pratos típicos a não perder, como o arroz de pato, o pernil assado no forno, o ensopado de borrego, as migas alentejanas, a sopa de cação, os secretos e as plumas de porco preto, entre outras deliciosas opções, acompanhando com bom vinho da região. 

  • A Coudelaria de Alter do Chão, é um ponto de paragem obrigatória para quem passe por terras de Alter do Chão. Fundada em 1748 pelo rei D. João V, a Coudelaria tem funcionado  até aos nossos dias e é quem detém o ferro do cavalo "Alter Real", puro-sangue lusitano. Aprender um pouco sobre a arte equestre, conhecer um pouco mais sobre estes simpáticos e imponentes animais que facilmente nos impressionam e cativam. O espaço dispõe de picadeiro, campo de obstáculos, pista de galope e de crosse, núcleo de atrelagem. Estes espaços são especialmente dedicados para quem gosta de praticar as manobras de cavaleiro, ou aprendizes de mesmo.


    Horários das visitas: Terça a Sexta - 9H30 às 17H30 Sábados, Domingos e feriados - 10H30 às 17H00
As visitas guiadas iniciam-se pelas 11H30 e à tarde pelas 15H00.
             Demonstrações de falcoaria:
Terças, Quintas e Sábados - 10H30 durante o Verão e 11H30, nas restantes estações do ano, mediante marcação.
            Coudelaria de Alter
            Tapada do Arneiro
            Alter do Chão
Telefone: 245 61 00 74/60

  • Na Barragem da Herdade da Lameira, a pratica de desportos náuticos constitui uma opção a ter em conta. 



Para outras informações úteis, e detalhe consulte o site: www.cm-alter-chao.pt

© Monte do Cuca. Todos os direitos reservados.