Borba é uma cidade portuguesa no Distrito de Évora, região Alentejo e sub-região do Alentejo Central, com cerca de 4 600 habitantes. É a cidade mais pequena do Alentejo. É sede de um município com cerca de 7.500 habitantes que está subdividido em 4 freguesias. O município é limitado a nordeste pelo município de Monforte, a leste por Elvas, a sueste por Vila Viçosa, a sudoeste pelo Redondo e a oeste por Estremoz. As freguesias de Borba são Matriz, Orada, Rio de Moinhos e São Bartolomeu.

Património
  • Os Paços do Concelho situavam-se na Praça Velha que ainda hoje permanece no centro social da cidade de Borba. Nos finais do século XVIII, no decorrer de um projecto de reordenamento urbano da vila, foram construídos os actuais Paços do Concelho. No seu interior destacam-se a escadaria nobre, efectuada em mármores brancos e negros da região, e os tectos pintados da Sala da Audiência, e da Sala da Câmara. O actual edifício dos Paços do Concelho tem uma construção em U, típica dos palácios do século XVII e XVIII. No século XX o imóvel foi valorizado com a aplicação de azulejos da Fábrica Viúva Lamego, representando várias cenas alusivas à Batalha de Montes Claros.


  • A Fonte das Bicas foi concebida como uma peça de ordenamento urbano, ajudando a criar uma nova praça, a actual Praça da República. Na sua composição podemos ver um perfeito ordenamento e distribuição da água. Ao centro, foram colocadas três bicas. Ainda hoje, a população acredita que cada uma das bicas é destinada a cada estado civil, aos solteiros, aos casados e aos viúvos, e que quem delas beber sempre regressará a Borba. Dos lados, mais a baixo, situam-se as bicas destinadas às crianças. Da fonte fazia também parte um bebedouro para os animais e um lavadouro. Na parte de trás da Fonte das Bicas foi construído um lago artificial, que representa o local onde foi encontrado o grande barbo que deu o nome à vila de Borba.


  • As Muralhas do Castelo de Borba, que D. Dinis mandou construir para comemorar a assinatura do Tratado de Alcanices, que ainda hoje estabelece as fronteiras entre Portugal e Espanha. Borba assumia assim uma função militar importante, pois, em caso de invasão, era a última defesa antes de Estremoz e Vila Viçosa. Neste castelo escreveu-se uma das mais sangrentas páginas da História de Portugal, quando no ano de 1662, o exército espanhol cercou Borba e encontrou uma aguerrida resistência do alcaide-mor. Como punição, o alcaide e os seus homens foram enforcados como traidores. No seu interior pode o visitante admirar a Torre da Prisão, a Torre do Relógio e o Palácio onde terá vivido o Alcaide enforcado.


  • O Padrão Comemorativo da Batalha de Montes Claros, que apesar de ser um monumento evocativo de uma vitória militar, trata-se de um poema à Paz e à tolerância que permanece pelos séculos. No interior destaca-se o retábulo em mármores brancos e negros da segunda metade do século XVIII.


  • A Casa Nobre dos Morgados Cardosos, cujo palácio foi a peça fundamental de um plano de urbanização, com traçado ortogonal, que pretendeu urbanizar todo o lado oriental da vila de Borba. Fazem igualmente parte deste plano os Paços do Concelho e a Fonte das Bicas. No piso térreo, parte das janelas são falsas e feitas em alvenaria. Foram feitas apenas para manter a harmonia do edifício. Um magnífico palácio setecentista português, no qual poderá também admirar uma escadaria nobre feita em belos mármores da região.


  • A Igreja de Santo António, fundada em 1630 pela Irmandade de Santo Antonio, que tinha para sua manutenção varias propriedades agrícolas que geravam grandes rendimentos. Na fachada, dentro do frontão da entrada, existe uma escultura popular em barro de Estremoz representando o santo patrono. No seu interior, pode admirar o magnífico retábulo em mármore, de 1750. Lateralmente, encontram-se dois outros retábulos em mármore, de finais do século XVIII, um dedicado a São Francisco Xavier e o outro à Sagrada Família.


  • A Igreja de São Bartolomeu, que ao longo dos séculos XVII, XVIII e inícios do século XIX, foi sucessivamente valorizada com inúmeros contributos artísticos. Entre 1669 e 1673, revestiu-se a igreja de azulejos de padrão de tapete que vieram de Lisboa. Em 1731, foi construído o retábulo em talha dourada. Outra das preciosidades desta igreja é a Capela do Santíssimo Sacramento, construída entre 1786 e 1790. No  seu interior possui uma tela que representa o "Triunfo do Santíssimo Sacramento".


  • A Igreja Matriz, que no seu interior possui dez capelas. Cada uma delas pertencia a uma irmandade e, todas elas, possuem contributos artísticos dos séculos XVII e XVIII. A mais bela das capelas é, sem dúvida, a Capela das Almas, toda ornamentada, com três altares em mármore e pinturas. Também merece destaque a Capela do Santíssimo Sacramento, que pertencia à mais importante irmandade da vila de Borba, à qual apenas a nobreza podia pertencer.


  • O Padrão de Montes Claros, mandado construir pelo príncipe Regente D. Pedro que governava por vez de seu irmão D. Afonso, e que assinala o local onde decorreu a Batalha de Montes Claros. Aqui, onde passava a estratégica estrada entre Vila Viçosa e Estremoz, o Marquês de Caracena tentou impedir que as tropas portuguesas acudissem Vila Viçosa, onde os espanhóis pretendiam destruir o Palácio dos Duques de Bragança, símbolo da nova dinastia. As tropas portuguesas, comandadas pelo Marquês de Marialva e pelo Conde das Galveias conseguiram o feito de derrotarem o mais poderoso exército da Europa, mostrando ao Mundo que uma reconquista de Portugal por Espanha seria uma tarefa dispendiosa, demorada e mesmo impossível. Assim, graças a esta batalha, a Paz com Espanha foi assinada em 1668, iniciando uma nova era de prosperidade, optimismo e riqueza para Portugal.


Gastronomia
  • A Gastronomia típica do Alentejo, com as entradas das Empadas de Borba, azeitonas, enchidos, queijos, omeleta com espargos, presunto, pezinhos de coentrada, as sopas de cação, a sopa da panela, a açorda, o gaspacho, a sopa de hortelã, os pratos de peixe com o cação de coentrada, e o cação frito, os pratos de carne como o ensopado de borrego, o cozido de grão à alentejana, o coelho assado no barro, as burras assadas, as migas à alentejana, e finalmente a doçaria com destaque para o doce regional de Borba, a Sericaia, o Pão de Rala, a Encharcada, o Bolo de Mel e o Arroz doce.


  • Os vinhos da região destacam-se também como opção de grande qualidade e particularidade de uma região reconhecida pela eleição das suas colheitas.

Para outras informações úteis, e detalhe consulte o site: www.cm-borba.pt

© Monte do Cuca. Todos os direitos reservados.